Presença na internet é fundamental para garantir a longevidade dos negócios

 

Empresário deve agregar serviços de comunicação para garantir visibilidade

Com um mundo cada vez mais conectado, estar na internet não é mais facultativo. “Se você deseja ampliar a sua comunicação com o mundo e com as pessoas e chegar a lugares que, fisicamente, não chegaria, não com velocidade e agilidade, a internet é a porta de entrada de novos negócios”, diz a jornalista, gerente da Descomplica Comunicação Inteligente, Janaína Fogaça.

Com mais de 20 anos de experiência em comunicação, a jornalista diz que estar presente no mundo virtual pode garantir ao empresário muito mais do que bons negócios, no entanto, é importante destacar que a forma de comunicar deve ser vista com cuidado e analisada de acordo com as intenções do seu negócio. “É muito comum o empresário achar que ter um site estático na internet já está de bom tamanho, porém, é importante que ele alimente esse site com conteúdo, que ele mantenha-o atualizado, pois terá mais chances de aparecer nas buscas orgânicas do usuário, além de colocá-lo degraus à frente de seus concorrentes”, afirma.

Redes sociais

Estar nas redes sociais pode ser um tiro no pé se o empresário não contar com um bom suporte, principalmente na resolução de conflitos. “É muito comum as perguntas ficarem sem resposta nas redes sociais, sem interação com os usuários e os comentários negativos serem apagados. Dessa forma, o empresário está maquiando a sua comunicação, fechando os olhos para os seus erros e para aquilo que pode ser uma oportunidade de melhora. Afinal de contas, nem tudo é um mar de rosas em nenhum negócio/empreendimento, e esse tipo de situação pede uma solução urgente. Não pode ser varrida para debaixo do tapete”, explica a jornalista.

Marketing – publicidade – internet – notícia

Quando o assunto é internet, por falta de conhecimento, os empresários costumam colocar tudo em um mesmo patamar. “Isso é muito arriscado para os negócios, mesmo porque, os empresários acabam sendo convencidos pelas agências que contratam de que certos serviços não são essenciais, uma vez que eles são complementares”, revela Janaína.

“Um exemplo é o serviço de assessoria de imprensa, que encontra entrave em departamentos de marketing, pois os profissionais, por desconhecimento ou até mesmo receio de perderem a conta, costumam dizer que ‘não precisam do serviço’ ou então que ‘já tem quem faça as redes sociais’, que são coisas completamente diferentes. Quem não quer ser notícia, em um veículo de relevância, mostrando aquilo que faz de melhor?”, diz a jornalista que recentemente lançou um ebook que explica o que é o serviço de assessoria de imprensa e de que maneira ele pode alavancar negócios.

“Escrevemos um livro que explica as ferramentas usadas em assessoria de imprensa e diferencia este serviço dos demais, além de destacarmos a importância de o empresário se manter ativo em vários canais e ter a completa gestão da sua comunicação. Anunciar em veículos de mídia também deve ser considerado, se levar em conta o público que deseja atingir e porque, dessa forma, assegura a longevidade desses veículos”, finaliza.

O ebook, Assessoria de imprensa – Edificando marcas, promovendo negócios pode ser acessado gratuitamente em www.vempradescomplica.com.br.

Política não é para amadores

Eleitores e candidatos devem ficar atentos ao período de campanha e às obrigações enquanto cidadão

* Por Janaína Fogaça

Foi dada a largada! Começaram as campanhas dos candidatos a vereador e a prefeito em todo o país, mas e aí, você sabe o que pode ou não nessas eleições?

A reclamação mais frequente nos meus grupos de amigos é a propaganda recebida de maneira abusiva, ou seja, aquilo que não foi solicitado. É via e-mail, aplicativos de mensagens, mensagens diretas, telefonemas, cartas…

As redes sociais se tornaram aliadas dos candidatos, desde os mais até os menos expressivos, afinal de contas, todo mundo quer o seu voto e com ele conquistar a tão sonhada cadeira na Câmara de Vereadores ou na Prefeitura Municipal.

Fato é que, se o candidato não tiver uma comunicação de campanha bem definida, todo o seu esforço pode ir por água abaixo, e aquele sonhado voto que ele deseja conquistar, pode se tornar um tiro no pé, e o eleitor que hoje estava aqui, ou ainda não havia escolhido um candidato, pode facilmente ser conquistado pelo menos provável dos concorrentes.

A única moeda válida na eleição é o voto, sabemos. Voto na urna e contagem é que o difere eleitos de não eleitos. Mas aí surge a grande questão: onde está o meu eleitor?

Bem, ao começar uma campanha, o candidato deve ter em mente duas coisas primordiais: quem é o seu público eleitor, aquele que você deseja atingir, e o que você, enquanto candidato, pretende fazer por ele assim que for eleito.

Promessas e propostas

Sabemos que ninguém vive de promessas. As tais promessas de campanha. Mas que tal se a gente substituir a palavra promessas por propostas? Faz o mesmo efeito. Um vereador não governa sozinho, e o mesmo dizemos de qualquer outro cargo público. Um mandato se faz em conjunto e depende de várias questões, como o orçamento público, leis municipais, pessoas, entre outros, mas demonstrar boa intenção em prol do bem comum, conhecendo a fundo peculiaridades da sua região já é meio caminho andado.

Muito se fala do vereador do bairro, e criou-se até um certo preconceito e um “endeusamento” dessas figuras. A dualidade, sim! O vereador do bairro fica sendo um Deus na sua região, o paladino salvador das causas simples e nem tão simples: aquele buraco na rua, aquela unidade de saúde fechada… Ao passo que no outro oposto da cidade, fica sendo “o cara em quem eu não voto porque ele vai governar para o bairro dele”.

Ora, como se os problemas enfrentados de norte a sul das cidades Brasil afora não fossem os mesmos. Vereador, prefeito, deputados e senadores, independente do cargo, governam para toda a população, independente da raça, etnia, religião. A nomenclatura pouco importa. O que importa é o que essa pessoa vai fazer depois de eleita e a sua obrigação, enquanto eleitor e cidadão, é cobrá-lo quando ele estiver lá e lembrá-lo de que foi o voto coletivo que deu a ele a oportunidade de se eleger.

Você lembra em quem votou?

Outro fator importante é saber em quem a gente vota. E, mais do que saber, é escolher um candidato, lembrando que ele vai ser a sua voz perante o poder público. É a ele que você vai conferir poderes para falar por você. O voto é uma espécie de procuração que você transfere para alguém em seu nome. E aposto que você não daria uma procuração para qualquer um só porque ele é bonitinho, arrumadinho e é filho do amigo do seu primo que estudou com o avô do seu pai no século passado.

Voto é responsabilidade. Você lembra em quem votou para deputado estadual na eleição passada? E qual vereador mereceu o seu voto na eleição anterior? Se você se lembra, ótimo! Sinal de que você levou a sério a sua obrigação e responsabilidade em escolher um representante. A maioria das pessoas não se lembra o que almoçou, quanto mais em quem votou há dois ou quatro anos. Isso porque a obrigatoriedade de voto não se relaciona com o comprometimento de escolha. Muita gente vai votar “amarrado”, porque tem que votar, e acaba ou anulando o voto, ou votando em qualquer um.

Abordagem ao eleitor

Como você, candidato, tem chegado até o seu eleitor? Parece que a internet virou uma terra sem lei, e entre o que pode e o que não pode na campanha, tem brotado candidato de tudo que é lado. São pedidos de amizade, novos seguidores e mensagens indesejadas. Vamos considerar diversos cenários: ou a pessoa já tem candidato e você está perdendo o seu tempo. Ou a pessoa não vota naquela cidade, e ainda assim, você está perdendo o seu tempo, ou a pessoa ainda não conhece os candidatos e por isso não escolheu.

Pode ser que nessa última alternativa resida seu pingo de esperança. Você precisa garantir os votos que conquistou no boca a boca, seja de amigos, familiares, comerciantes e precisa ainda mais convencer aquele que não definiu candidato, pois o eleitor sem candidato definido é o seu eleitor potencial. A melhor forma de abordagem, certamente é a apresentação. Primeiramente, é necessário saber se a pessoa que você deseja atingir já escolheu um candidato. Caso não haja um escolhido, com uma abordagem diferenciada, você garantirá passos a frente de quem quer que seja o seu concorrente.

As redes sociais, com estratégias assertivas, podem ser suas aliadas, certamente. Mas nada de atirar para tudo que é lado. É necessário saber o ponto de onde você está partindo e aonde está querendo chegar. Aproveite as oportunidades com seus potenciais eleitores, alimente o seu discurso com ideias, conheça a cidade antes de propor soluções mirabolantes para problemas que se arrastam de gestão em gestão. Além disso, saiba até onde você pode ir, cerque-se de pessoas comprometidas durante a sua campanha, pois são essas pessoas que ajudarão você a chegar lá. Invista em relacionamento com o eleitor, com a mídia, com pessoas em geral. Quanto mais pessoas souberem da sua candidatura e da coesão das suas propostas, mais chances você tem de se eleger. A campanha acontece na rua, e ninguém vence eleição sentado na sala de estar ou enviando mensagens via Whatsapp para aqueles (des)conhecidos com quem você não fala há anos. A chance de isso dar certo é mínima. Quem não conhece você, não compra a sua história. Encare a sua campanha como um produto, é a sua eleição que está sendo negociada. O que você está vendendo ao seu eleitor? Qual imagem você está entregando do produto que você é?

Além disso, saiba que é necessário investimento. É como uma aposta na loteria. Se você jogar apenas com um cartão, a sua chance é uma, mas se jogar com vários, sua chance aumenta. Campanha política, ou você entra para ganhar, ou é melhor ficar na sala de casa, confortável, no seu sofá, assistindo ao horário eleitoral gratuito. Política não é para amadores. E, se você quer realmente se diferenciar, olhe para onde todos estão olhando, mas vá além! Eleição se ganha na urna, e se você está nessa corrida eleitoral, boa sorte! Se você é um cidadão, assim como eu, juízo! Vote consciente. O seu voto interfere também na minha vida, aquilo a que chamamos de coletividade.

E se você ainda não sabe o que pode ou não nessas eleições, acesse o site do TSE e confira!

Redes sociais não fazem milagre!

A vedete do momento tem sido as redes sociais. De repente, saiu guru de tudo quanto é lugar para dizer que seu “influencer” alcançou milhões de seguidores em uma semana, que seu aluno vendeu 12 dígitos em poucas horas com um método inovador que “SÓ ELE” sabe e que vai te ensinar, gratuitamente (pegadinha), na semana do empreendedor de sucesso.

E lá vai você, se programa para estar em frente ao computador no horário combinado, para assistir a uma aula que está sendo repostada, mas comunicada como se fosse ao vivo (ahãn), onde além de encheção de linguiça, ao final, ele diz que o segredo é só para os 100 primeiros que se inscreverem na semana de ouro, por míseros R$ 999,99, que não são R$ 1.000,00.

E você vai lá, cheio de expectativa e boa-vontade, afinal de contas, o mar não está para peixe e você precisa desesperadamente comunicar o seu negócio, vender o seu produto, desatravancar as suas prateleiras e estoque. Fato é que estamos em crise, e qualquer tampa de remédio que brilhe no meio-fio pode parecer a oportunidade de ouro, e lá vai você, novamente, tirar de onde já não tem para poder investir nessa chance única.

Vamos partir do princípio de que todo mundo encontrou esse guru, ele está cada vez mais rico – com essa proposta, obviamente, e você? Bem, você e eu estamos aqui, remando, nadando sem colete salva-vidas, tentando não morrer esmagado em meio a avalanche de coisas que demandam atenção ao nosso negócio. A gente quer soluções práticas, rápidas, que nos deem retorno quase que automático e proporcional ao investimento.

Quem nunca caiu nessa de guru da internet, principalmente na quarentena (porque sim, eles se multiplicaram aos montes não porque querem te ajudar a se destacar, mas sim porque eles também viram a renda cair e precisam se manter, nem que para isso, a vítima seja um desesperado – não que esse seja o seu caso), que atire a primeira pedra.

Qual é o segredo?

Não existe segredo, mas o problema é que a gente não consegue enxergar isso, principalmente quando os boletos começam a chegar e os clientes foram embora. Quem vai pagar essa conta? Certamente não será o guru, ou o alquimista das redes!

Eu te digo: existe sim uma luz no fim do túnel, e ela se chama coerência! Seja coerente com os seus negócios! É claro que todo mundo quer a fórmula do sucesso, mas se ela existisse, estávamos todos ricos, inclusive o guru!

Diz a máxima que quem não é visto não é lembrado, e não é correndo atrás do mago dos números que você será visto e lembrado. Invista no seu negócio! Comunicação pode sair caro, mas sai mais caro ainda quando não executada.

A fantástica fábrica de likes

Nem tudo na vida são os likes no Instagram e os seguidores que você tem, se isso não for convertido em negócios. Atualmente, existem diversos sites que oferecem milhares de seguidores em troca de algumas centenas de reais. Mas é isso mesmo que você quer? Seguidores ou compradores do seu negócio/produto? Veja, não estamos aqui dizendo que o seguidor não vá comprar o seu produto, nem mesmo que vá comprar, mas analise onde você está sendo visto e por quem, e se realmente é ali que está o seu público.

E o seu concorrente? De que maneira ele o vê?  Geralmente, a gente quer chegar onde o outro chegou a qualquer custo. A grama do vizinho é sempre mais verde que a nossa. Mas você sabe o que  seu concorrente fez para chegar onde está? Sabe quantas noites de sono ele perdeu, quanto investiu e o quanto viu os boletos entrarem por uma porta e os clientes saindo pela outra?

Quando a gente está com “sangue nos olhos”, tende a desconsiderar questões básicas e principais que são a chave do seu negócio. Como eu já disse, a gente quer soluções rápidas, o barco está afundando e (tomara que não esteja), e você não quer pular dele, o que significa abrir mão de tudo o que já conquistou, e não é isso que você quer, não é mesmo?

Então, por amor ao que você já construiu, fuja dos gurus da internet e invista na comunicação do seu negócio.

O paradoxo da casa cheia

Casa cheia é sempre sinônimo de cliente satisfeito e bons negócios. A gente costuma “deixar fluir” quando os clientes estão em casa, se acomoda e não espera que no dia de amanhã haja uma reviravolta e que a casa esvazie, fazendo que os clientes desapareçam. Começar de novo sai caro. Não se acomode quando a casa estiver cheia. Quanto mais clientes você tiver, melhor! Sinal de que você poderá contar com eles em diferentes épocas. E quando um deles (ou vários) se for, você terá outros para preencher aquela lacuna. Contar com um cliente só, com o que “paga as contas” pode ser arriscado demais, uma vez que o mundo dos negócios é incerto, e justamente aquele seu cliente pode estar indo de mal a pior e tenha que cortar, justamente, o serviço que você oferece. Quem garante que até agora esse seu cliente esteve cambaleando e se esforçando para pagar os seus serviços e, de repente, optou pelo corte. Não significa que ele não precise dos seus serviços, pode ser que ele não tenha mesmo como pagar e foi “empurrando” até aqui.

Não acredite em tudo o que você vê na internet

A blogueira nasceu rica e com o corpo perfeito e siliconado sem nenhuma intervenção cirúrgica (ahãn), o nariz empinado foi obra dos Deuses do bisturi, ops, Olimpo. A internet é mesmo desanimadora e a vida é uma lástima. Parece que todo mundo tem sucesso, menos você. Aí você vê aquele guru (aquele, de quem a gente falou agorinha), e se convence de que ou você se espelha nele, ou o único caminho que o espera é o fracasso. Quem sou eu na fila do pão?

O primeiro passo é desconfiar de tudo o que reluz. Lembra da tampa de remédio do início do nosso texto? Pois então… O único lugar onde sucesso vem antes do trabalho é o dicionário. Ok, eu sei que essa é velha e que com essa eu acabei de entregar a idade, mas o fato é que não existe milagre conferido a Nossa Senhora da Internet se não houver envolvimento e trabalho efetivo. A internet pode sim fazer milagres pelo seu negócio, mas ela é só mais um fator, um acessório, um coadjuvante no mundo da comunicação. Se você não utilizar outras estratégias e confiar exclusivamente no universo online, terá gastado tudo o que teria para investir sem ter retorno nenhum.

Não adianta dizer que o filho do amigo do vizinho da namorada do seu irmão vendeu 100 mil usando o Instagram. Vendeu sim, não discordo, mas será que foi exclusivamente pelo Instagram? Quanto será que essa pessoa investiu para ter esse retorno? Quantas vezes? Em quanto tempo? Onde estavam as pessoas que compraram dela? Por que compraram dela e de mais ninguém? O que ela tinha de tão especial?

Fulano apareceu na TV

De repente, tá lá o seu concorrente. Notícia naquele seu programa favorito! Você torce o nariz, engole em seco, como se estivesse engolindo um cactos… Pensa em mudar de canal, mas assiste até o fim para ver o que ele tem de melhor a dizer, melhor do que você. Você assiste e ao fim diz: “Poxa, mas esse cara nasceu ontem. Eu tenho o dobro de idade de mercado dele e não consegui essa visibilidade. Como é que ele conseguiu?”

Taí um outro erro! “Como é que ele conseguiu” não é a pergunta, mas sim “o que ele fez para chegar lá?”. A resposta é simples: ele investiu em assessoria de comunicação.

Assessoria de comunicação é um trabalho que busca edificar a sua marca, tornando-o referência naquilo que você faz, tanto para o seu cliente quanto para o seu concorrente (e a gente fala mais sobre isso em nosso ebook, que você pode baixar aqui). Quando o assunto for o segmento em que você atua, a ideia é que nesse instante, tanto o seu público-alvo quanto a imprensa lembrem de você imediatamente, tornando-o referência no seu ramo de atuação.

Se você pretende se destacar no mercado, principalmente em um momento pós-crise (sim, ela vai passar), é muito importante que você invista em uma assessoria de comunicação eficiente e em ferramentas que destaquem seus diferenciais e evidenciem aquilo que você faz de melhor, afinal de contas, você não quer perder tempo, quer recuperar aquilo que perdeu e correr atrás do lucro, porque o ditado que diz que temos que correr atrás do prejuízo está errado! Eu não quero ter prejuízo, e você?

Um abraço e até semana que vem!

Dica de primeira na segunda

Segunda-feira é o dia oficial de começar a se mexer, não é mesmo?

É nas segundas-feiras que a gente organiza a semana, começa uma dieta, atribui tarefas a si mesmo e aos outros, afinal, início de semana é uma nova oportunidade para recomeçar.

Com os seus negócios, não pode ser diferente, não é mesmo? De que maneira você está olhando para o seu empreendimento? Dizem que o boi só engorda ao olho do dono, mas será que você está tendo aquela visão do todo do seu negócio? Será que a sua visão não está apegada demais ao tradicionalismo e ao que você vem fazendo repetidamente por anos?

Vem comigo, todas às segundas-feiras, no Instagram da Descomplica, você vai conferir uma dica/orientação de primeira e que pode ajudar o seu negócio a decolar!

Envie suas dúvidas ou sugestões por inbox lá mesmo, que eu faço questão de ajudar você a ter uma comunicação descomplicada e de sucesso!

Esta semana, falamos um pouco sobre a presença nas redes sociais e sobre investir em anúncios na internet. Como são stories e as publicações desaparecem depois de 24 horas, eu deixei elas salvas ali nos destaques.

Não perca tempo: www.instagram.com/agenciadescomplica

Te espero lá!

😉

Jornalista lança ebook gratuito sobre Assessoria de Imprensa

Nele é mostrado como o serviço é fundamental para crescimento das empresas

Para se destacar na mídia, é importante, além de uma boa história para contar, saber quais os canais e as estratégias corretas para aparecer de maneira positiva. Esse é um dos trabalhos desenvolvidos por uma assessoria de imprensa. “Muitas vezes, as empresas entendem a importância desse serviço, mas não sabem exatamente como funciona. Confundem com redes sociais, com marketing e publicidade, mas é fundamental que haja esclarecimento quanto ao que uma assessoria de imprensa se propõe a fazer”, explica a jornalista Janaína Fogaça, autora do ebook.

Com mais de 20 anos de experiência em comunicação, Janaína é sócia-proprietária da Agência Descomplica Comunicação, sediada em Curitiba. A jornalista já atendeu diversas empresas dos mais variados segmentos e destaca: estar na mídia, ser fonte de referência, não são coisas que acontecem do dia para a noite, são necessárias estratégias e a construção de uma imagem positiva diante da mídia e do público. Mas que o trabalho tem o resultado de solidificar sua marca no mercado, garantindo uma vantagem sobre seus concorrentes.

Ebook gratuito

Para esclarecer e desmistificar o trabalho de um assessor de imprensa, Janaína acaba de lançar o ebook “Assessoria de Imprensa – Edificando marcas, promovendo negócios”. O material é inteiramente gratuito e pode ser acessado por meio do link https://ebooks.vempradescomplica.com.br.

“Alguns empresários, quando contratam uma assessoria de imprensa, têm uma grande expectativa e acreditam que no dia seguinte já estarão sendo notícia no seu programa de TV favorito, no entanto, é importante que saibam que uma construção de marca, reputação, posicionamento, mas que o resultado conseguido irá transformar seu negócio”, afirma a profissional.

O material traz um apanhado geral sobre assessoria de imprensa, além de destacar um case de sucesso. “Foi difícil escolher um case dentre tantos que temos na agência. Escolhemos a de uma cliente que, atualmente, mora nos Estados Unidos e que lançou um produto exclusivo para aliviar a pressão nas orelhas provocadas pelo uso das máscaras durante a pandemia de Coronavírus. Acho importante destacar como trabalhamos para uma cliente que está do outro lado do mundo e mostrarmos os feedbacks positivos da imprensa e do público que nosso trabalho atingiu”, conclui Janaína.